João Cutileiro

Sem título
Desenho inciso sobre placa de mármore Ruivina
Dimensão: 20 x 20 cm
Dimensão com moldura: 48 x 48 cm
1992

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

750,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0946 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

João Cutileiro, escultor e ceramista português nasceu a 26 de junho de 1937, em Lisboa.
Morreu a 5 de janeiro de 2021.

Estudou escultura na Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa.
João Cutileiro frequentou os ateliers de António Pedro, Jorge Barradas e António Duarte de 1946 a 1959.

Estabeleceu-se em Londres, o que não o impediu de participar na 1.a Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian.
Trabalhou como assistente de Reg Butler em 1959 e obteve o 2.o Prémio de Escultura na 2.a Exposição de Artes Plásticas.
Depois das primeiras esculturas articuladas e de iniciar o trabalho da pedra por meios mecânicos regressou a Portugal, fixando-se em Lagos em 1970.
Executou nessa altura as séries Piscibas e Árvores e produziu os primeiros mosaicos a partir de fragmentos de mármores.
Assim participou em exposições internacionais, designadamente na Alemanha, em Madrid, Londres e Nova Iorque.

Foi assim artista convidado na III Exposição de Artes Plásticas da Calouste Gulbenkian.

O artista, que recebeu em 2018 a medalha de Mérito Cultural, detentor de doutoramentos Honoris Causa pelas universidades de Évora e de Lisboa.
Assinou assim duas das obras mais polémicas das últimas décadas em Portugal: a estátua de “D. Sebastião”, em Lagos.
e o monumento ao 25 de Abril, no Parque Eduardo VII, na capital portuguesa, sobre o qual negou sempre uma intenção fálica.

Mas em 2018, assinou com o Ministério da Cultura, o município de Évora e a Universidade desta cidade alentejana,
um protocolo de doação do espólio e casa-atelier do artista, com a tutela a assumir a responsabilidade de dinamizar uma programação cultural e académica,
com residências artísticas, exposições e formação na área da escultura em pedra.

O artista faleceu a 5 de janeiro de 2021.

Outras obras deste artista