Promoção!

José de Guimarães

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 110/200
Dimensão da mancha: 35,5 x 43 cm
Dimensão com moldura: 64,5 x 84,5 cm
1979

Nota: Esta serigrafia foi totalmente produzida pelo artista José de Guimarães em câmara escura.
Foi baseada numa fotografia da fachada do Centre Pompidou, também realizada pelo artista.
Está totalmente esgotada.

500,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0274 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

José de Guimarães nasceu em Guimarães, a 25 de novembro de 1939 e é um dos nomes mais marcantes e premiados das artes plásticas contemporâneas portuguesas, com uma enorme expressão internacional e um currículo impressionante de prémios e exposições por todo o globo. A sua relevância fica patente na existência do Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Em 1990 recebeu o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, atribuído pelo Presidente da República Portuguesa, Mário Soares, pela excelência da obra e enorme contributo à nossa cultura e sua difusão internacional, sobretudo na pintura, escultura, gravura e também no design.

Em 1957 ruma a Lisboa para o curso de Engenharia Civil na Academia Militar mas foi ao frequentar a Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses que começou a desenvolver a sua arte, convivendo e aprendendo com outros grandes artistas plásticos como Júlio Pomar, aprofundando a técnica da gravura, em que se notabilizou. Nos anos 60, cumpriu o serviço militar em Angola, onde teve contacto com as paisagens, gentes e tradições africanas, pelas quais se apaixona.

Homem do mundo, na construção dos seus Alfabetos, foi em sítios como Angola, México, Japão ou a China, nas antiguidades exóticas destas paragens, que bebeu grande parte da sua inspiração, sendo um artista reconhecido nesses países. Em 2000, por exemplo, foi convidado a participar na renovação do centro histórico da cidade japonesa de Kushiro, criando obras de arte pública e mobiliário urbano. Esta urbe da ilha de Hokkaido, de resto, possui uma Casa Museu dedicada ao artista português e são mais de 450. A Biblioteca Nacional de Portugal possui um acervo de cerca de 450 peças de sua autoria, doadas pelo consagrado artista.

Outras obras deste artista