Jorge Martins

 Sem título
Gravura sobre papel nº 27/150
Dimensão: 25 x 28 cm
Dimensão com moldura: 47 x 57 cm
1959

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1818 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Jorge Martins nasceu em Lisboa, no ano de 1940.

Frequentou os cursos de Arquitetura e Pintura da ESBAL entre 1957 e 1961.
Em 1958 iniciou-se na técnica de gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses.
A conjuntura político-social portuguesa leva-o a partir em 1961 para Paris, num “exílio” que dura até 1986 sendo apenas interrompido por uma estadia em Nova Iorque entre 1975 e 1976.

Na capital francesa convive com os pintores Júlio Pomar, Arpad Szenes e Vieira da Silva e com o grupo KWY.

Concebendo no início da sua carreira obras de pendor neofigurativo.

Jorge Martins veio a desenvolver uma pesquisa artística centrada no tratamento da luz e nos modos de materialização do invisível, criando uma linguagem que em alguns momentos se aproxima do abstracionismo.

Mas a evolução do seu trabalho leva à conceção de pinturas marcadas pelos fundos saturados neutros, onde se distribuem, por vezes de um modo barroquizante, formas simples de cor ou palavras.

Assim a figura humana marca presença regular na sua pintura, sendo que as tensões entre figuração e abstração nunca abandonarão a sua obra.

Jorge Martins dedicou-se também à ilustração, ganhando em 1984 o Prémio Gulbenkian de Ilustração de Literatura Infantil.

Assim foi distinguido com o Prémio de Aquisição na Exposição de Arte Moderna do Museu do Funchal (1967).
Prémio AICA (1971 e 1988).
Também recebeu o prémio de Desenho da III Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian
Prémio de Consagração CELPA / Vieira da Silva (2003).

Outras obras deste artista