Peter Klasen

Sem título
Serigrafia sobre papel, nº 40/200
Dimensão da mancha: 58 x 46 cm
Dimensão total: 80 x 66,5 cm
Dimensão com moldura:
Ano: 2001

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1169 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Peter Klasen nasceu em 1934 em Lübeck, Alemanha. Terminou os estudos formais artísticos em 1959, na Escola Superior de Belas Artes de Berlim. Aqui, mergulhou nas correntes mais vanguardistas da Europa do pós-guerra, como a Bauhaus ou o Expressionismo Alemão.

Nesse ano, rumou a Paris onde depressa se tornou uma das figuras-chave da Nova Figuração, participando, em 1964, na exposição “Mythologies Quotidiennes” no Museu de Arte Moderna da Vila de Paris. Dois anos depois expõe pela primeira vez individualmente 1966, iniciando uma longa e prolixa carreira internacional, com obras hoje presentes em mais de 80 galerias públicas e privadas, sobretudo europeias.

Peter Klasen foi um dos fundadores da corrente denominada Figuração Narrativa ou Neo-figurativismo. Um dos seus pontos altos em termos expositivos terá sido a grande retrospetiva da sua obra, organizada pelo Museu Touquet-Paris-Plage, em 2013. A sua arte pública também se encontra presente em várias cidades, incluindo portuguesas e a sua obra foi objeto de diversas monografias.